ARTE NA PRAÇA Segunda edição atrai mais público

Artise - Fotos
O segundo evento do Projeto ARTE NA PRAÇA, realizado no sábado, 2 de setembro, na Praça das Artes Teodoro Freire, em Sobradinho, atraiu um público bem superior ao da semana passada, resultado da qualidade e da diversidade da programação, que se estendeu até às 21 horas, destacando-se o show da cantora Anna Doni e a apresentação do Bumba-meu-boi do Seu Teodoro.

A edição numero 2 do projeto começou logo cedo com as feiras de hortifrútis e de artesanato. Enquanto as pessoas compravam verduras e legumes fresquinhos e admiravam as peças dos artesãos, as tendas e trailers da praça de alimentação, do palco principal e das oficinas eram montados, trazendo movimentação e clima festivo à Praça das Artes Teodoro Freire.

O folguedo Bumba-meu-boi do Seu Teodoro, patrimônio imaterial do DF, foi uma das atrações da segunda edição do Arte na Praça (Foto: Reprodução) 

As oficinas de Artesanato, Pintura em Tecido, Cinema e Fotografia despertaram grande interesse do público. A de Pintura em Tecido, ministrada pelo artista plástico Tom Mello, funcionou desde a manhã até as 16h. A de Artesanato, de Telma Nunes, continuou muito prestigiada. Tanto que a instrutora teve ministrar o conteúdo para duas turmas.

O DJ Hool ministra oficina e ensina passos de variados ritmos de balada (Foto:José Edmar Gomes)

A movimentação na Praça das Artes aumentou ainda mais com a chegada dos participantes da Virada do Cerrado, que vieram de intensa programação na Casa do Ribeirão, para se integrarem ao Arte na Praça, no intuito de estender as ações em prol do meio ambiente.

A Virada é um programa da Secretaria do Meio Ambiente em parceria com instituições e administrações do DF, que promove ações continuadas de capacitação e sensibilização sobre o meio ambiente, sempre setembro, em alusão ao Dia do Cerrado, comemorado no dia 11.

A primeira edição da Virada ocorreu em 2015, atingido público de 20 mil pessoas nas 21 regiões participantes e 80 organizações da sociedade civil. Em 2016, a estimativa de público foi de 45 mil participantes nas  29 regiões administrativas e 500 atividades.

A programação da Virada, este ano, na Casa do Ribeirão, em Sobradinho, constou de Hasteamento de bandeiras, pelo Grupo de Escoteiros João de Barro; Danças Circulares, com o Grupo Gira Cerrado; um interessante Café com pássaros no bosque da Casa do Ribeirão; Oficinas e banco de mudas, com Rotary Club e Lions Club e uma fundamental palestra com professor Raimundo, do SOS Ribeirão, além de outros eventos.

 

 

A presença do pessoal do Território Criativo atraiu muita gente a uma das tendas do Arte na Praça (Foto: José Edmar Gomes) 

Território Criativo – Outro evento que se somou ao Arte na Praça foi o Território Criativo, programa lançado, dia 30 de agosto, pela Secretaria de Cultura, com apoio do Ministério da Cultura.

O TC capacita empreendedores criativos, qualificando-os para gestão de projetos de micro e pequenos empreendimentos, com carga horária de 1060h; e também oferece consultoria e assessoria técnica com carga horária de 885h, gestão e programação de espaço de coworking e promoção de eventos técnicos e culturais.

As atividades são realizadas na sede do projeto Território Criativo, na Biblioteca Nacional de Brasília, próxima à Rodoviária do Plano Piloto, e em 14 regiões administrativas do DF, durante oito meses.

Representantes da Secretaria de Cultura que vieram a Sobradinho, depois de conceituarem o programa para os interessados que lotaram uma das tendas do Arte na Praça, disseram que as capacitações e consultorias são ministradas por uma equipe multidisciplinar com atuação no Brasil e em outros países, em quase duas mil horas de trabalho.

O Território Criativo é coordenado pela especialista Ana Carla Fonseca, que já realizou projetos em 30 países, e conta ainda com dez especialistas em gestão, desenvolvimento de pessoas, design estratégico, prototipagem de ideias e projetos e legislação com foco em propriedade intelectual e direito autoral.

Anna Doni – A Praça da Artes já comportava um grande público quando as oficinas terminaram, e aí a cantora Anna Doni assomou o palco principal e brindou os presentes com um show empolgante, em plena luz do dia.

A simpatia e versatilidade de Anna empolgaram o público, que cantava e dançava ao som do repertório eclético da cantora, que ia do sertanejo ao rock, passando por clássicos da MPB.

Anna Doni confraterniza-se com o maestro Alex Paz, o cantor Xispu e o Pequeno Sérgio

A animação das pessoas empolgou também a artista, que não se fez de rogada, desceu do palco e veio “pra galera”, arrancando aplausos. O show seguiu por quase duas horas e, por diversas vezes, a cantora atendeu a pedidos de “mais uma”. O show de Anna Donni foi realmente uma festa.

Quando parecia que o dia já estava ganho, o palco foi ocupado pela dupla sertaneja Cláudio César & Carlinhos, que mandou bem no estilo que está na mídia.

A instrutora da Oficina de Dança Charme, Priscila do Carmo, posa com algumas de suas alunas (Foto: José Edmar Gomes)

Bumba – Mas a noite de sábado, 2 de setembro, ainda reservava mais surpresas para o público da Praça das Artes. De repente, um bando de gente portando vestes meio indígenas, meio cablocas e percutindo grandes tambores e maracas, dançando em fila, começou a entoar toadas lamuriosas e rumou para o palco.

Era o folguedo Bumba-meu-boi do Seu Teodoro, Patrimônio Imaterial do Distrito Federal, que veio fazer festa para a lua quase cheia e para o patrono da Praça, o Mago das Maracas, Teodoro Freire.

O público reagiu admirado com a mestria dos “brincantes” e reverenciou a memória de Teodoro Freire, que trouxe o folguedo do Maranhão para a Capital da República.

Entretanto, a noite não terminou por aí. Após o Bumba, o projeto musical Rádio AM 89 ocupou a área em frente à Praça da Alimentação com uma apresentação  vocal, do cantor Angelo Macarius  acompanhado pelas pick-ups de DJ Hool.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *