Amigos da natureza fazem ações para revitalizar Canela de Ema e “Geladeira”

Os Amigos do Parque Canela de Ema e outras pessoas ligadas aos meios cultural e ambiental de Sobradinho desenvolveram ações ligadas a estas áreas de sua atuação, na quinta-feira 11 de maio. Uma delas foi a visita à Casa do Ribeirão, com intuito de conhecer mais detalhadamente o local que reivindicam para sediar suas atividades.

Durante a visita, que contou também com a presença do assessor do deputado Wasny de Roure, Jurandy Marinho, o grupo decidiu enviar documento ao administrador regional, Valter Soares, solicitando autorização para atividades culturais no espaço da Casa do Ribeirão, toda segunda sexta-feira de cada mês, quando propostas e reivindicações do meio cultural e ambiental continuarão a ser discutidas e encaminhadas.

Geladeira” – Em outra ação, o grupo visitou também a “Geladeira”, aprazível local de encontro de águas dos riachos e nascentes que caem no Córrego Sobradinho, na altura da curva do final das Quadras 1/3, que era um balneário frequentado pela juventude nos 70/80, mas que hoje se encontra totalmente degradado, inclusive por uma desastrosa intervenção da Caesb, que realiza obras no local.

Ana Schramm, que integra o grupo Amigos do Parque Canela de Ema, disse que ficou estarrecida com o que viu na “Geladeira”. “A Caesb tem licença para tocar as obras, mas fez tudo errado”, afirma a ambientalista.

 Para ela, a terra revolta que ficou em volta escorreu com as chuvas e assoreou o córrego. “Além disso, há indícios de que a Caesb vai jogar esgoto no curso d’água”, preocupa-se Schramm.

“Canela” – Em frente ao Parque Canela de Ema, na AR 1 de Sobradinho II, a Administração Regional, voluntários e estudantes, limparam a entrada do Parque e plantaram diversas espécies de mudas de árvores nativas para marcar as atividades de regularização do Parque.

Jarbas Chagas, membro do Conselho Regional de Cultural de Sobradinho II e ativo amigo do Canela da Ema, juntou as crianças e promoveu o plantio da primeira muda que, segundo ele, será um símbolo da revitalização do Parque.

Kariny Ramalho Maciel, 8 anos, estudante da Escola Classe 14, disse que foi “muito legal” participar do plantio de mudas, pois as plantas são importantes para a natureza e para as pessoas. “Elas deixam o clima melhor”, afirmou.

Maria Fernandes Ferreira Damacena, 7 anos, aluna da Escola Classe 13, que também participava do plantio de árvores, disse ao Folha da Serra, que as árvores são importantes porque dão sombra, purificam o ar e “são boas para conservar a água”.

Plantando as primeiras mudas
Maria Fernandes Ferreira Damacena

(Reportagem e fotos: José Edmar Gomes/Folha da Serra)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *